Todos nós sabemos que, quando queremos aprender algo novo, é muito melhor compreender do que simplesmente tentar decorar esse conteúdo. Mas, algumas vezes, mesmo compreendendo muito bem a explicação, pode ser que fique difícil lembrar de tudo depois de um tempo.

A sensação é como se aquilo que tínhamos aprendido escorregasse por entre os dedos e não conseguíssemos mais lembrar com clareza.

Mas qual será a razão para que isso aconteça?

Na realidade, a neurociência nos mostra que para conseguirmos evocar uma memória (esse é o termo científico para quando lembramos de algo) essa informação tem de estar “armazenada” em nosso cérebro.

Além disso, esse processo de armazenamento se dá através da forma como são realizadas as ligações entre nossos neurônios, de maneira que as informações que conseguimos evocar, ou seja, nossas trilhas de memória, de certa forma, estão representadas nessa estrutura (rede neuronal).

Para visualizar melhor como acontece a formação de nossas memórias, podemos imaginar que cada trilha de memória nova é como se fosse uma trilha que abrimos para atravessar uma floresta de mata fechada. Depois de aberto o caminho, quanto mais vezes percorremos essa trilha, naturalmente ela vai ficando mais larga, portanto, mais difícil de ser apagada. Mas se deixamos de percorrer essa trilha, a floresta cobre novamente todo o caminho e a trilha some depois de um tempo.

Então, voltando para a explicação de como as lembranças se formam, nossa trilha de memória funciona como uma trilha recém-aberta na mata: quanto mais nós usamos a trilha, ou seja, quanto mais nós acessamos algum tipo de conhecimento em nossa memória, mais o nosso cérebro entende que aquela informação é importante. A partir disso, aquela trilha é reforçada cada vez mais, fazendo com que lembremos com facilidade da informação contida nela.

Por outro lado, quando nós aprendemos um assunto, mas não acessamos mais essa informação, o nosso cérebro entende que aquele novo conhecimento não é tão importante, a tendência é que essa trilha enfraqueça e seja “coberta pela vegetação”, trazendo dificuldade para evocar esse conhecimento com o passar do tempo.

Então, a solução para não esquecer do que aprendemos é simplesmente fazer com que o nosso cérebro “percorra aquela trilha de memória” de tempos em tempos.

Isso pode ser feito de várias maneiras como, por exemplo:

  • resolvendo exercícios sobre o conteúdo;
  • aplicando esse conhecimento a algum caso prático;
  • ou simplesmente repassando mentalmente os seus pontos principais.

Fazendo isso, nosso cérebro estará acessando e processando aquela informação em nossa mente, de maneira a deixar bem reforçada aquela trilha de memória. E como nós já sabemos, quanto mais um conhecimento está reforçado em nossa memória, mais fácil para lembrarmos dessa informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *